Alunos apresentam projeto de robótica a técnicos da Sinfra e trocam experiências

Grupo do Sesi Escola de Cuiabá está participando da competição de robótica First Lego League (FLL) e trabalha para desenvolver um sistema de acessibilidade voltado a pessoas com deficiência (PCDs)

Foto por: Viviane Saggin - Sesi-MT

Alunos da equipe de Robótica do Sesi Mato Grosso Brother Creators, que participam do torneio internacional de robótica First Lego League (FLL), estiveram na Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) para compartilhamento de ideias e conhecimento com profissionais da pasta sobre normas de acessibilidade voltadas a Pessoas com Deficiência (PCDs).

O grupo, formado por adolescentes de 12 e 14 anos, está trabalhando no desenvolvimento de um “Sistema de Acessibilidade em Estacionamentos Públicos” eficiente para o público PCDs, tendo como base a tecnologia e conceitos de “Cidade Inteligente”, foco da competição na temporada 2019/2020.

A professora Marta Farias, técnica em robótica do Sesi, e os alunos Renan Azambuja, 14 anos, Maria Eduarda Ribeiro e Rubia de Souza, 14 anos, foram recebidos pelo secretário adjunto de Obras Especiais, da Sinfra, Isaac Nascimento Filho, e superintendente de Gestão de Obras do VLT (Mobilidade Urbana), Rafael Detoni, e tiveram um bate papo sobre as técnicas empregadas no projeto de acessibilidade e sua viabilidade.

“Dentro do Sesi temos três turmas de robótica e hoje trouxe uma delas do Sesi Senai que está participando do torneio internacional (FLL)”, explanou a professora.

Segundo ela, o grupo este ano tem que desenvolver um projeto de inovação com o tema “Cidade Inteligente” e a visita a entidades e órgãos que lidam com o assunto abordado pelos alunos funcionam também como uma aula, mas extraclasse. Marta Faria explica que este ano foi lançado o desafio aos participantes do torneio: criar um dispositivo que atenda a concepção de Cidade Inteligente e contemple a realidade da região, levando em consideração ainda o custo para sua implantação. E é isso que os adolescentes vêm fazendo.

No bate papo com os profissionais da Sinfra, os alunos contaram um pouco sobre o projeto e seu funcionamento na prática. Segundo eles, o grupo está desenvolvendo um aplicativo para atender pessoas com deficiência no momento em que precisarem de vaga para estacionar em locais públicos.

Essa ferramenta indicaria as vagas existentes e onde estão, com ajuda de mecanismos tecnológicos (sensores, parquímetros, câmeras) avaliados pelo grupo. Além disso, estão estudando também ferramentas que inibam as pessoas que não são PCDs de pararem de forma indevida nessas vagas.

“A ideia é também fazer com que as pessoas se conscientizem sobre a importância de respeitar o direito das outras pessoas”, disse o aluno Renan Azambuja.

O superintende de Gestão de Obras do VLT e arquiteto, Rafael Detoni, especialista em mobilidade urbana, ouviu atentamente os relatos dos adolescentes e explicou como é feito a fiscalização pela Secretaria de Mobilidade Urbana, o uso de câmeras, e as normas de trânsito em vigor no país.

Conforme Detoni, o projeto dos alunos do Sesi Senai é viável precisa ir apenas adequando à realidade para ter condições de ser utilizado na prática.

“O tema é completamente plausível e a concepção de ‘Cidade Inteligente’ vem sendo discutida nacionalmente para uso no transporte urbano”, afirmou ele, alertando, porém, que o grupo precisa ficar atendo às questões legais e estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para ter aplicabilidade.

A professora Marta e os alunos disseram que após essa rodada de discussões o grupo teria várias questões, não levadas em conta anteriormente, para analisar e estudar.

“Hoje o o superintendente da Sinfra levantou sérias perguntas que eles não haviam pensado e que vão ter que apresentar uma solução para isso depois. Por isso, esse contato é importante”, disse ela, satisfeita com o resultado da interação.

O secretário adjunto Isaac Nascimento avaliou o encontro como positivo e disse que todas as iniciativas que venham colaborar com o desenvolvimento e melhoria da sociedade a Sinfra está disposta a ajudar.

“Estamos abrindo as portas da secretaria, ainda mais por se tratar de jovens que estão se interessando em resolver problemas grandes das nossas cidades”, finalizou.

O torneio

Segundo material do Senai, o Torneio de Robótica FIRST® LEGO® League (FLL) é uma competição internacional, desenvolvida no Brasil com a apoio do Sesi Senai, e voltada para crianças de 9 a 16 anos, com intuito de despertar o interesse dos alunos em temas como ciências, matemática e tecnologia. Tudo isso, dentro do ambiente escolar. A principal meta da competição é estimular as crianças e jovens a pensarem como cientistas, visando projetos que propiciem melhor qualidade de vida à população.