Agentes Mirins visitam Assembleia Legislativa

O trabalho é desenvolvido por agentes penitenciários de Campo Novo do Parecis e conta com o deputado estadual João Batista como padrinho

Deputados aprovam porte de arma para agentes do Socioeducativo
JL Siqueira/ALMT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), por meio do deputado estadual João Batista (PROS), recebeu na tarde desta sexta-feira (13), uma comitiva com mais de 80 jovens, entre 12 e 17 anos, que integram o projeto Agente Mirim (Agem), desenvolvido por agentes penitenciários de Campo Novo do Parecis, distante a 397 km de Cuiabá.

João Batista, que é padrinho do projeto, conta que sempre contribuiu para o seu desenvolvimento, ajudando assim crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. “Ainda quando estava à frente do Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen-MT), sempre fiz questão de contribuir com o projeto do ‘Fabinho’ (agente coordenador do Agem), na Assembleia, luto para que outros municípios recebam esta iniciativa”, disse.

Fábio Aguiar, o “Fabinho” citado pelo deputado, é agente penitenciário no município de Campo Novo do Parecis, e explica que a visita no parlamento estadual faz parte de um cronograma no qual os “pequenos agentes”, devem visitar.

“Já estivemos no Ciopaer (Centro Integrado de Operações Aéreas), Corpo de Bombeiro Militar, Exército e ALMT, ainda iremos realizar outras visitas com os nossos recrutas. Proporcionamos este momento para que eles tenham contato com os setores da Segurança Pública. Agradeço todo o auxilio do deputado João Batista, que sempre está pronto e apostos para nos ajudar”, disse Fábio.

A visita na Casa de Leis contou com a logística do projeto “Por Dentro do Parlamento”, que consiste em mostrar aos estudantes o dia-a-dia da ALMT, especialmente os trabalhos legislativos no plenário, onde ocorrem as sessões legislativas.

Agem – Criado em 2016, o Projeto Agente Mirim (Agem), desenvolve um trabalho de voluntariado, que auxilia crianças e adolescentes, através de ensinamentos sobre cidadania, patriotismo, hierarquia, disciplina e conhecimentos cívicos. Com três anos de funcionamento, o Agem já formou mais de 600 adolescentes, com idade entre 8 e 17 anos.  O trabalho é realizado por agentes penitenciários, em parceria com outros profissionais voluntários. O objetivo é fortalecer a conjunção familiar e promover o desenvolvimento das potencialidades intelectuais, sociais e profissionais dos assistidos na ação social.

De acordo com Fábio Aguiar, toda a metodologia desenvolvida com os alunos, segue atividades elaboradas pelos agentes e as instruções são adaptadas para o público infantil. “Após o período de instrução anual, os alunos que se formam no projeto, tem a oportunidade de viajar e conhecer a capital Cuiabá, em uma mistura de aprendizados e entretenimentos culturais, visitam lugares como o Exército Brasileiro; Setores de Operações Especiais; Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer); Corpo de Bombeiros; zoológico; shopping, entre outros”, finalizou o coordenador do Agem.