Afastado pela 4ª vez, prefeito renuncia

| guiratinga | prefeitura amplia distribuição de água no distrito do alcantilado

O prefeito de Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, renunciou ao cargo nesta quinta-feira (12) após ter sido afastado da função por quatro vezes. Ele apresentou a carta de renúncia na Câmara de Vereadores na sessão de hoje e, logo depois, o vice-prefeito Lisu Koberstain (PMDB), que já ocupava o cargo interinamente, foi empossado pelos parlamentares como titular.
No documento, José Alves, que tinha sido afastado da função pela quarta vez no mês passado, fez algumas recomendações ao sucessor. "Espero que o meu sucesso se dedique à conclusão das principais obras que iniciamos durante o meu primeiro ano de governo", disse, ao citar seis obras que estavam em andamento.

Ele elencou os projetos de construção da estação de captação de água, da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), de três Unidades Básicas de Saúde e de pavimentação do Bairro Cohab, naquele município, conhecido pelos pontos turísticos. "Que [o novo prefeito] faça todos os esforços para que se conclua a revitalização da Salgadeira para que se inicie o asfaltamente da MT-020 (Chapada-Água Fria) e para a construção da terceira pista ou duplicação da MT-251 (Chapada-Cuiabá), finalizou.

A Câmara Municipal tinha aberto uma comissão processante para apurar supostas irregularidades cometidas pelo gestor e iria apreciar o relatório em plenário nesta quinta-feira. No entanto, antes que o relatório fosse votado, Neves renunciou ao cargo.

Ele tinha sido afastado quatro vezes em pouco mais de um ano. O primeiro afastamento ocorreu em maio do ano passado após suspeitas de irregularidades na contratação do serviço de transporte escolar. Na época, foram gastos mais de R$ 2 milhões no aluguel de oito veículos durante 9 meses. O prefeito ficou 90 dias fora da administração. Já em fevereiro deste ano, José Neves voltou a assumir a prefeitura, mas, ficou menos de 15 dias na função e foi afastado por decisão da Câmara Municipal.

Atualmente, a prefeitura acumula uma dívida de R$ 3 milhões de energia elétrica e há um mês o poder público não emite alvará de funcionamento para o comércio. Ao todo, a dívida do município ultrapassa a R$ 15 milhões, segundo havia informado o novo prefeito à TV Centro América nesta semana. Por causa disso, segundo ele, alguns serviços são executados de forma precária, como o da coleta de lixo, por exemplo.