Acrimat alerta pecuarista para início do período proibitivo de queimadas

Produtores rurais se preocupam com a possibilidade de incêndios florestais e suas consequências, como os graves problemas à pastagem e outras lavouras.

Foto por: Marcos Vergueiro / Secom-MT

A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) informa o pecuarista que o período proibitivo de queimadas na zona rural em Mato Grosso começa nessa quarta-feira (01) e segue até 30 de setembro. Fica proibido o uso de fogo em áreas rurais para limpeza e manejo durante esses meses, levando em consideração o risco de incêndios florestais de grandes proporções.

No perímetro urbano as queimadas são proibidas durante todo o ano.

O Guia do Produtor Rural de Orientação e Combate a Incêndio, disponibilizado pela entidade aos associados no site oficial da entidade apresenta capítulos que instruem o pecuarista a como prevenir e proteger sua propriedade rural, como agir em caso de incêndios acidentais, queima controlada, legislação e informa ainda uma série de telefones úteis.

“Com o período de estiagem, começa a preocupação dos produtores rurais com a possibilidade de incêndios florestais e suas consequências, como os graves problemas à pastagem e outras lavouras, por isso é importante saber quais medidas o produtor deve adotar em sua propriedade, com ao construção e manutenção de aceiros, a redução de materiais combustíveis e a disponibilidade de água em abundância, bem como, a de um meio de transporte de água para os locais onde ocorrem os sinistros”, diz o presidente da Acrimat, Oswaldo Ribeiro.

Cartilha de Combate a Incêndio

A Acrimat oferece em seu site a Cartilha de Combate a Incêndio, um dos guias do produtor rural produzidos pela instituição, disponibilizados ao cidadão no formato online. O documento é parte da estratégia de comunicação utilizada para conscientizar o cidadão sobre prevenção e combate a incêndios.
Acesse https://acrimat.org.br/portal/publicacoes/guias-e-cartilhas/

Governo estadual

A normativa se fundamenta na Lei Complementar nº 233, de 21 de dezembro de 2005, que considera o aumento de focos de calor no estado no mês de julho com tendência a se agravar nos meses de agosto e setembro. O período de estiagem favorece a incidência de queimadas e incêndios decorrentes do uso do fogo na vegetação, colocando em risco a saúde, qualidade de vida e segurança da população.