Ação integrada prende quatro pessoas envolvidas com invasão de terras em MT

Polícia Civil-MT

Polícia Civil-MT

Foto: Polícia Civil-MT

Ação integrada prende quatro pessoas envolvidas com invasão de terras em MT

Investigações continuam para apurar invasões em outros pontos e o possível vínculo entre os envolvidos

Quatro pessoas envolvidas com a invasão de terras privadas foram presas, na quinta-feira (22.02), em uma ação conjunta da Polícia Civil e da Polícia Militar, realizada no município de São Félix do Araguaia (1.200 km a nordeste de Cuiabá). Os suspeitos foram autuados em flagrante por esbulho possessório e também são investigados por crime de associação criminosa, sendo apurado pela polícia o vínculo entre eles.

Os suspeitos foram flagrados construindo moradias ilegais em propriedades privadas, sem a autorização dos verdadeiros proprietários. Além da detenção dos invasores, foram removidos do local, materiais destinados à construção irregular, tais como madeiras, telhas e ferramentas, interrompendo assim o avanço do esbulho possessório.


Durante os trabalhos na região, foram verificados indícios de pontos de invasão na Fazenda Lago de Pedra, levantando a possibilidade de uma grilagem em larga escala na região. Desta forma, o trabalho da Polícia Civil continua para investigar as suspeitas de invasões em grandes propriedades e para identificar os responsáveis e impedir que as práticas ilegais prosperem.

Ações como essa não apenas reforçam o respeito ao direito de propriedade, mas também contribuem para a preservação da ordem social e econômica.


Para o delegado de Polícia Ivan Albuquerque Soares, a atuação conjunta da Polícia Judiciária Civil e da Polícia Militar de Mato Grosso em São Félix do Araguaia/MT evidencia o compromisso das instituições com a defesa dos direitos de propriedade e o combate ao esbulho possessório.

“A detenção dos posseiros, a remoção dos materiais de construção e as investigações em andamento são passos significativos na garantia da segurança jurídica e na preservação da ordem pública. Os trabalhos continuam, a fim de proteger os legítimos proprietários e promover o desenvolvimento sustentável da região”.


+ Acessados

Veja Também