Oficina de educomunicação estimula apoio entre diferentes gerações

oficina de educomunicação estimula apoio entre diferentes gerações

Enquanto integrantes do Grupo de Jovens a Força do Futuro formatavam a apresentação de divulgação do Grupo Mulheres Unidas da Associação Grupo de Reflorestamento Agroindustrial Ouro Verde do Norte em um notebook, no Projeto de Assentamento Nova Cotriguaçu, no município de Cotriguaçu, Mato Grosso, parte das mulheres construíam em conjunto o texto manualmente em um painel escrito por elas e definiam a escolha das imagens para ilustrar digitalmente.
Esse processo conjunto foi exercitado durante a oficina de educomunicação facilitada pelo Núcleo de Comunicação do Instituto Centro de Vida, no dia 21 de maio. O objetivo foi promover a integração das diferentes gerações em um esforço comum e o resultado do trabalho sistematizado será utilizado para facilitar a divulgação para a comercialização dos produtos dessas agricultoras familiares.
“Foi uma experiência interessante e assim a gente pôde retomar e também organizar nossa história”, afirmou a agricultora familiar Jaquicele Gomes de Oliveira Werner. Segundo os jovens, a atividade representou um desafio para também aprimorarem seus conhecimentos sobre as ferramentas digitais e colaborarem para a melhoria da qualidade de vida de amigos e de suas próprias famílias. “Estou relembrando alguns passos da produção de slides, que tinha esquecido”, contou Cássio Souza. Sua colega Dilcineia Ferreira de Santana, em alguns momentos, ajudou as agricultoras a traçar a linha histórica.
Durante a dinâmica, houve um esforço para que todos os participantes se envolvessem e lembrassem a trajetória, desde o início do Grupo de Mulheres em 2013. Pontuar cada etapa de evolução do mesmo possibilitou que reafirmassem o que consideram como objetivo em comum: gerar renda familiar por meio do extrativismo e beneficiamento do coco babaçu, transformado em farinha de mesocarpo para ração animal e em bolachas para alimentação humana.
Nesta atividade, ainda puderam observar que não pararam por aí. “Não podemos desanimar”, disse Leidimar Maria Moza. Ampliaram suas metas e também já estão produzindo farinha de mandioca, bolacha de polvilho e doce de leite em barra, e a expectativa é que em um futuro próximo possam produzir em escala, quando tiverem a sua cozinha completamente pronta e equipada (processo que se encontra em andamento por meio de diferentes projetos pelos quais, estão sendo beneficiadas), e se adequarem a todas as exigências legais e definirem a identidade visual de seus produtos.
A iniciativa integrou o Projeto Cotriguaçu Sempre Verde – Fase 2, que busca consolidar uma nova trajetória de desenvolvimento municipal, pautada na construção de soluções sustentáveis de produção e governança socioambiental. A iniciativa tem apoio do Fundo Vale.