Legado: atletas e desportistas aproveitam estruturas do Rio 2016

Instalações do Complexo Esportivo de Deodoro e do Parque Olímpico da Barra, por exemplo, permitem a prática de diversas modalidades esportivas

Atletas e desportistas aproveitam estruturas do Rio 2016
Estádio Olímpico Nilton Santos foi palco das provas de atletismo de jogos estudantis - Foto: Carlos Erbs Jr/Prefeitura do Rio de Janeiro

Entre agosto e setembro de 2016, instalações modernas construídas no Rio de Janeiro receberam os principais atletas olímpicos e paralímpicos do planeta durante os Jogos Olímpicos.

Dois anos depois, na data que se comemora o Dia do Esporte Amador, a chama olímpica vive, com o legado da competição beneficiando jovens atletas de base e desportistas amadores brasileiros.

Um dos principais locais de disputa, o Complexo Esportivo de Deodoro, é usado em ações como o Programa Forças no Esporte (Profesp), parceria entre os ministérios da Defesa e do Esporte. Mais de 60 jovens são beneficiados por meio de aulas de vôlei, basquete e futebol. No complexo, crianças e adolescentes treinam no Centro de Hóquei sobre Grama.

A pista de atletismo do Estádio Olímpico Nilton Santos, o Engenhão, também faz parte desse legado. Em setembro, por exemplo, o local foi palco da etapa final dos Jogos Estudantis 2018 da Rede Municipal de ensino do Rio de Janeiro.

A competição contou com a participação de cerca de 1,6 mil jovens atletas com idade entre sete e 15 anos, que disputaram provas de corrida, salto em distância, salto em altura, lançamento de pesos e revezamentos.

Cidadania

Nas instalações do Parque Olímpico da Barra, o programa Esporte e Cidadania para Todos leva a prática desportiva à crianças, adolescentes e jovens, de 6 a 21 anos, que vivem em situação de vulnerabilidade social no Rio de Janeiro.

Moradores do Rio de Janeiro, sobretudo os tenistas nas horas vagas, aproveitam o parque, que abrigou as disputas de modalidades como handebol, natação e esgrima.

Com o aplicativo gratuito Atleta.Co, os amantes do esporte podem reservar o dia e a hora em que desejam utilizar as quadras de tênis construídas no local. Em maio, um mês após o início do projeto, mais de 400 jogos já haviam sido realizados por meio da ferramenta.

Abelardo Mendes Jr/Ministério do Esporte

Eventos

Atualmente, a responsabilidade de administrar e viabilizar o uso das instalações é da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), autarquia vinculada ao Ministério do Esporte.

A entidade foi criada com a missão de desenvolver, por meio de parcerias com a iniciativa privada, um modelo de gestão sustentável dos equipamentos esportivos do Parque Olímpico.

Segundo a AGLO, 88 eventos foram realizados no Complexo Esportivo de Deodoro em 2017. No mesmo período, o Parque Olímpico da Barra sediou outros 85, alguns deles fora do universo esportivo, como a Comic Con e o Rock in Rio.

Ao todo, essas atividades reuniram 290 mil pessoas, com quase 1,8 mil esportistas atendidos – a maior parte, atletas de base.

Saúde

A prática regular de esportes traz uma série de benefícios para a saúde das pessoas de todas as idades.

Entre eles estão o fortalecimento muscular; a redução da ansiedade; o controle de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e osteoporose; e a melhora da frequência dos batimentos cardíacos e da circulação sanguínea.

As atividades podem envolver modalidades praticadas em grupo, como futebol, vôlei e basquete, por exemplo, e também exercícios mais simples, que podem ser realizados individualmente, como caminhar pelo bairro, andar de bicicleta ou nadar.

O importante é escolher algo que traga prazer, que possa ser praticado com regularidade e que não seja contraindicado por seu médico.