Estilo de vida “fitness” movimenta setor do vestuário

diário oficial da união publica decreto com o novo salário mínimo de r$ 937

A procura por produtos e serviços nas áreas fitness tem levado cada vez mais empresários a investirem nesse segmento. Atualmente, o Brasil é o segundo país com maior número de academias do mundo – são mais de 30 mil estabelecimentos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, segundo dados do Sebrae. E isso se reflete em áreas como a moda, por exemplo. Segundo a consultora de moda, Andreia Sversut, até mesmo a prática de esportes possui o que especialistas chamam de um “dress code”, ou código de vestimenta.

“Afinal, ninguém faz exercícios de vestido ou terno e gravata. Além disso, a moda fitness tem evoluído muito e oferece cada vez mais opções, o que facilita muito a escolha na hora das compras. Mas além do conforto, a gente também quer estar na moda. E pra isso não faltam alternativas, desde modelos mais discretos até os mais modernos e chamativos”, afirma a consultora.

Quem concorda com ela é a empresária Izabel Mello, praticante de atividade física, e antenada com a moda, decidiu investir no setor. Recentemente inaugurou a loja Brigitte Summer Store, no Rondon Plaza Shopping, com investimento de quase R$ 200 mil. A loja é focada em moda fitness com opções que vão desde regatas à calça legging com tecidos de última geração, que além de conforto podem até melhorar o desempenho durante as atividades físicas.

“A indústria da moda tem acompanhado e investido muito na funcionalidade e no conforto das peças, e isso reflete na maior procura por parte dos praticantes de exercícios físicos. Antigamente, se usava camiseta e shorts, o calor era imenso e até o desconforto. Hoje, há uma infinidade de opções e, sem dúvida, um look caprichado ajuda a levantar o astral na hora do treino”, afirma a empresária.

Entre 2009 e 2012, nos Estados Unidos, a taxa de crescimento de empreendimentos no segmento fitness foi de 0,7%, enquanto no Brasil alcançou expressivos 29%, reforçando ainda mais a ideia de que o país se tornará líder no segmento. Izabel acredita que o estilo de vida fitness, ou o “lifestyle fitness”, veio para ficar.

“Há um novo conceito de estilo, agora voltado para as pessoas que tem um ‘lifestyle fitness’, com a proposta de utilizar roupas que seriam apenas para treinos também no seu dia-a-dia. Nossa proposta na Brigitte é essa: a mulher pode sair do treino para um encontro com as amigas e vice-versa, dependendo das escolhas”.

Assim como a moda casual, os acessórios também ganharam mais espaço. A dica da consultora de moda é estar atenta às necessidades da atividade que for praticar. “É legal investir em luvas e levar sempre uma garrafinha de água. Um acessório que gosto muito é aquela bolsinha para colocar o celular, para quem gosta de treinar ouvindo música. Existem vários modelos para colocar na cintura e também no braço. Uma toalhinha é sempre bem-vinda para secar o suor antes de usar os aparelhos”, afirma Andreia Sversut.

NÚMEROS – Ainda segundo o boletim de tendências do vestuário do Sebrae Nacional, o segmento possui mais de 7 mil lojas especializadas em artigos esportivos; outras 14 mil vendem algum tipo de artigo desse estilo. E o faturamento anual do varejo de nicho no país é, em média, de R$ 4,7 bilhões.