Chapada Diamantina registra menor índice de incêndios desde 2002

O ICMBio contrata todos os anos, durante seis meses, um efetivo de 42 brigadistas para o parque. Neste ano, serão contratados sete a mais para atuação nos meses mais secos (julho a fevereiro)

Maior problema do Parque Nacional da Chapada Diamantina, o menor índice de incêndios dos últimos 16 anos da unidade de conservação foi registrado em 2017. De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a área total atingida foi de cerca de 113 hectares, apenas 0,07% do território.

Ações integradas de prevenção, combate e investigação, retirada do gado da serra e  ampliação da equipe de analistas ambientais, mesmo diante do clima mais seco e com menos chuvas, possibilitaram a redução.

Em 2015, quando mais de 20% da área foi atingida pelo fogo, foram registrados cerca de 730 mm de chuva. Dois anos depois, com 100 mm a menos de chuvas, houve cerca de 20 vezes menos incêndios.

Outro fator é a conscientização da população. “Ela deixou de fazer queimadas e passou a dar apoio no combate e na denúncia aos infratores. Além disso, muitas atividades realizadas dentro do Parque Nacional, que sempre utilizaram o fogo, estão deixando de existir, como o garimpo, a criação de animais e a coleta de sempre-vivas”, afirmou o gerente do fogo do parque, Luiz Coslope.