Assassinos planejaram massacre em Suzano por mais de 1 ano, diz polícia

Reprodução

Investigações preliminares da Polícia Civil apontaram que Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25, planejaram por mais de um ano o massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo.

De acordo com as investigações, os assassinos pretendiam superar o número de vítimas do massacre de Columbine, que deixou 13 mortos em 1999 nos Estados Unidos. O crime completará 20 anos em abril.

O ataque realizado na manhã de quarta-feira (13) deixou oito vítimas mortas, além de outros 11 feridos – todos em condição estável, segundo o governo do Estado. Dez seguem internados.

Na quarta (13), a polícia informou que as investigações indicaram que a dupla tinha um pacto sobre se matar após o massacre. Guilherme matou Luiz Henrique e depois se suicidou.

Eles eram ex-alunos do local, vizinhos e frequentavam fóruns ilegais na internet para obter informações sobre como realizar os ataques.

MEDIDAS PÓS-ATAQUE

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo anunciou a revisão dos procedimentos de segurança nas 5,3 mil escolas da rede estadual e a elaboração de um projeto para reforçar a proteção dos colégios mais vulneráveis. As aulas em todas escolas públicas estaduais e municipais de Suzano estão suspensas até amanhã(15), data na qual os professores da rede discutirão as propostas pedagógicas para acolhimento, na próxima semana, dos alunos e da comunidade escolar.

“Estamos revisando os nossos procedimentos e vamos ouvir nossos especialistas para saber o que podemos fazer do ponto de vista da segurança. Não podemos ficar só nesse debate, mas a secretaria vai trabalhar muito para essa revisão. Da mesma forma vamos focar muito nosso trabalho em formar nossos profissionais e para termos condições para apoiar o professor, toda equipe e a família”, disse o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, que esteve nesta quinta (14) em Suzano.